Bio

O baterista Sergio Facci, nasceu em 29 julho de 1968, em São Paulo. Vindo de uma família que sempre esteve ligada à música, começou a estudar piano aos sete anos de idade, incentivado por Dona Jacyra, sua avó paterna. Seu pai, Carlos Ferreira, era acordeonista formado e tocava teclados em casamentos e festas. Desta forma, fez seu primeiro show profissional como baterista em uma festa de réveillon na cidade de Ji-Paraná/RO. Assim, Facci começou a se interessar cada vez mais pela música e, aos treze anos, decidiu que iria tocar bateria. A única objeção foi justamente a de sua avó Jacyra, que não aceitou a troca pura e simples, e propôs que ele tivesse aulas de bateria sem deixar de lado o piano. Para enriquecimento de sua formação e musicalidade, Facci não deixou de se dedicar aos dois instrumentos. Inclusive, atualmente toca os dois instrumentos simultaneamente em suas apresentações. 

 

Confiante, Facci passou a ter aulas de bateria em conservatórios como Santa Helena e Marcelo Tupinambá, tendo aulas com Flávio Pimenta e, logo depois, com Wernner Teske, que o ensinou a ler e a escrever partituras para a bateria. Com a velha Pinguim rajada em vermelho, seu primeiro instrumento, Facci começou a dar suas próprias aulas particulares e formou, ao lado de colegas de escola, sua primeira banda, Resomnância. 

 

Em 1983, em pleno show do Kiss no Morumbi, em São Paulo, surgiu a ideia e o convite do baixista André "Pomba" Cagni de criar a banda de Vodu. Com o ingresso do guitarrista Bruno Bontempi e, mais tarde, do vocalista Andrews Góes e do guitarrista José Luis Xinho Gemignani, o grupo de Heavy Metal passou a se apresentar em diversos festivais e eventos na capital e no interior de São Paulo. Facci enfim estava integrado e participando ativamente do movimento underground que consolidou o gênero no cenário do Rock nacional em meados dos anos 1980. 

 

Sua primeira bateria grande, foi uma Luthier feita sob encomenda por Tibério Correa (Harppia), com dois bumbos de 22", 4 tons e um surdo. Toda preta, cabia dentro de um fusca (sem o banco do passageiro). Com ela, gravou importantes discos – "Seeds of Destruction" (Vodu) e o aclamado "Theatre of Fate" (Viper). 

 

Em 1986, com o convite da Rock Brigade Records, o Vodu partiu para a gravação do álbum de estreia, algo até raro em uma fase em que bandas de Heavy Metal, no máximo, conseguiam entrar em coletâneas ou gravar EPs. Lançado no mesmo ano, "The Final Conflict" levou o Vodu a excursionar por várias cidades do Brasil e também na Argentina. Na turnê, Facci teve a oportunidade de abrir os shows do Venom e Exciter em Brasília (DF) com o Vodu, e em São Paulo com outro pioneiro do Metal brasileiro, o Vulcano. 

 

Com o Vodu, o baterista ainda registrou mais três álbuns de estúdio: "Seeds of Destruction" (1988), "No Way" (EP, 1990) e "Endless Trip" (1992). Além de diversos shows em festivais espalhados pelo país, um dos pontos altos foi a  abertura para os ingleses do Motörhead no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Ainda como integrante do Vodu, Facci registrou uma das obras mais importantes do Metal brasileiro: "Theatre of Fate". O segundo disco do Viper, lançado em 1989, contou com produção do inglês Roy Rowland (Blind Fury, Satan, Kreator, Onslaught, Rogue Male, Sabbat e outros). 

 

Em meados de 1990, no Dynamo Brasil, misto de loja de discos, estúdio de ensaio e casa de shows, de que era sócio e onde também dava aulas de bateria, Facci conheceu as meninas da Volkana, que haviam chegado de Brasília para tentar a sorte em São Paulo. O baterista acabou gravando o álbum "First" (1990), lançado pelo selo Eldorado, e foi efetivado na turnê. Além de fazer a abertura da turnê "Tudo Ao Mesmo Tempo Agora", dos Titãs, Facci também participou da abertura para nomes como Kreator, Ratos do Porão e Korzus. O baterista ainda gravou com o Volkana o álbum "Mindtrips", editado pelo selo Radical Records e produzido por Mayrton Bahia (Legião Urbana, Finis Africae, 14 Bis, Claudio Zoli, Paralamas Do Sucesso e outros). 

 

Em paralelo à música, Facci cursava Direito na FMU, faculdade onde na época também estudavam Yves Passarell (Capital Inicial, ex-Viper), Ricardo Batalha (Roadie Crew), Evandro DeMarco (ex-Hard Hearted), Eduardo Lucena (ex-Velhas Virgens) e outros. Em 1993, já formado em Direito, veio a conhecer no Estúdio Oásis, local onde ensaiava com a Volkana, alguns dos músicos mais influentes de São Paulo, como os Titãs Branco Mello, Sergio Brito; Rodrigo Sater, entre outros. Foi lá que recebeu o convite dos Fenícios, do lendário vocalista Tio Há com Branco Mello, no ano de 1993, com o qual gravou três CDs e um DVD. Em 2019, o grupo lançou o quarto álbum, "25 Anos de RocknRoll", com apoio do PROAC/SP.  P

 

aralelamente ao grupo de Rock’n’Roll Clássico e Blues, Facci seguiu tocando na noite com a Rádio Café (1993/94), e gravando para artistas do cenário nacional. Atualmente integra a banda 3 In The Box, que se apresenta em casas na Capital e interior, tocando o que existe de melhor em rock, rock'n'roll, pop, reggae e anos 80. 

 

Por sua versatilidade em estilos, pela experiência de palco e pelo vasto repertório, Facci sempre foi um nome cotado para tocar em eventos de porte na cidade de São Paulo e no interior. No primeiro "Reveillon na Paulista" com a banda Carnasampa, se apresentou para mais de 500 mil pessoas na avenida mais famosa da cidade. Apesar de bem resolvido na música, Facci jamais deixou para trás a sua maior paixão: o Heavy Metal. Assim, criou o projeto V Project, em que promete reviver seus tempos de Vodu, Viper e Volkana e também apresentar músicas autorais inéditas. 

 

Com o retorno do Vodu em 2017, Facci gravou um EP com cinco musicas inéditas e, em meados de 2018, entrou novamente em estúdio para gravar o novo CD, com lançamento previsto para o segundo semestre de 2019. 

 

Em 2019, a Volkana, também preparando seu retorno, registrou uma versão de "Medo", da lendária banda der punk rock Cólera, com previsão de lançamento  para setembro. Além disso, um novo projeto, ainda sem data definida ainda para lançamento, é a Jonnie Cake, banda de rock autoral.

Sergio Facci was born on July 29 in São Paulo. He started studying piano at 7 encouraged and supported by Mrs Jacyra, his grandmother. By admiring his father, Carlos Ferreira, who held and Accordion Degree and played keyboards at weddings and parties, Sergio got his interest for music increased.

At 13, he decided he wanted to play drums. He almost convinced his family about the instrument shift. Mrs Jacyra was the only one who did not agree and proposed him to take drums lessons while keeping the piano studies. Sergio never stopped working on both instruments focusing on his musicianship continuous development.

Sergio attended classes at Santa Helena Music School in Moema, São Paulo. His teacher was Toninho Louco. He learned the basics and realized drums was his work instrument indeed. Afterwords, he joined Marcelo Tupinambá Music School attending Flávio Pimenta classes and Werner Teske classes, with whom he learned to read and write drums partiture.

 

With the first drum kit, a reddish Pinguim, Facci started teaching and formed with high school friends his first band, Resomnância.

In 1983, on a Kiss concert at the Morumbi Stadium, came up the idea and the invitation from Andre "Pomba" Cagni to create the metal band Vodu.

When Bruno Bontempi (guitar), Andrews Góes (vocals) and Xinho (guitar) joined Vodu, the band started touring and appearing in several festivals and shows all around São Paulo State, actively participating on the music underground movement, greatly contributing for the metal genre consolidation in the Brazilian rock scene.

In 1986, Vodu was invited by Rock Brigade Records to exclusively record a whole album – until then, all EPs and LPs were shared by two or more bands.

Sergio recorded his first career album, The Final Conflict (1986).

With Vodu, he toured all over Brazil, played in Argentina, did the opening for Venom and Exciter shows in Brasilia and, with the power metal band Volcano, did the opening for the shows in Santos.

With Vodu, Facci recorded three more albums: Seeds of Destruction (1988), No Way (EP, 1990) and Endless Trip (1992), and opened a Motörhead concert in São Paulo.

In 1989, he recorded the Theatre of Fate album (produced by Roy Roland - Helloween, among others), which was responsible for making Viper one of the biggest metal bands of Brazil.

 

Sergio was the owner/partner of Dynamo Brazil, a place that was a music school (he was the drums teacher), CD store and rehearsal studio. At Dynamo he met the Volkana girls, who were coming from Brasilia to show their work in the São Paulo area. Facci recorded with Volkana the album First (1990 - Eldorado Records) and on the tour became an official member of the band. They did the opening of six remarkable Titãs shows (Cabeça Dinossauro Tour) at the Olympia in São Paulo and at the Imperator in Rio de Janeiro. Volkana also played with Kreator, Ratos do Porão and Korzus.

Facci recorded Mindtrips, the second album of the band, which was edited by Radical Records and produced by Mairton Bahia (Legião Urbana, among others)

In 1993 Sergio had already earned his Bachelor's Degree in Law and got to know at studio Oasis, where he used to rehearse with Volkana, some of the most influent musicians in São Paulo, like Branco Mello and Sergio Brito (Titãs), Rodrigo Sater, and others. At this studio he was invited to join the the classic Rock'n'roll and Blues band Fenícios, from the legandary Tio Há.

In parallel he kept playing in bars such as the well known Rádio Café (1993/94), the Caribean (Vila Guilherme) and Lua Nua (Guarulhos). Later, invited by Marco Antonio Tobau, at the Country Beer, in São Caetano do Sul, as a fixed band for almost eight years.

Because of his great versatility of music styles, stage experience and comprehensive repertoire, Sergio Facci has always been a respected and prestigious name considered to high relevance events in São Paulo state. At the first "Reveillon na Paulista", with the band Carnasampa, Sergio played in front of his biggest audience - more than 500,000 people at the most famous avenue of the city.

Currently, it is being prepared Fenícios Banda Quem's live DVD to be released still in 2013.

 

As a new work, Facci has been putting together a Heavy Metal act called V PROJECT, in which he will play songs from bands he recorded the drums (VODU, VIPER, VOLKANA), in addition to new material and some international cover songs.

 

                                Translated by José Luiz de Almeida